Como montar Times e influenciar Projetos

Série "De Brooks a Berkun" - 2ª Parte


A experiência prática de Fred Brooks, como citado anteriormente, foi com projetos mastodônticos: 1000 pessoas envolvidas ou mais. Mas ele lembra que desde aquela época os 'gerentes de programação' preferiam "pequenos e 'agudos' times formados por pessoas de 'primeira classe'". Brooks cita um estudo (de Sackman, Erikson e Grant) que mostra que um programador de 'primeira classe', que recebia US$20.000/ano, podia ser até 10 vezes mais produtivo que um programador de US$10.000/ano. Mas um pequeno grupo de 'estrelas' seria capaz de desenvolver um OS/360? Talvez em 10 ou 25 anos, segundo cálculos do autor. Por outro lado Brooks lembra que times grandes, orientados para a execução de um trabalho na base da 'força bruta', são "lentos, caros, ineficientes, e produzem sistemas que não possuem 'integridade arquitetônica'. OS/360, Exec 8, Scope 6600, Multics, TSS, SAGE, etc. A lista é longa". E "o dilema é cruel", escreve Brooks. Haveria solução?



A sugestão de Brooks, baseada em uma proposta de Harlan Mills [1], dá título para o terceiro capítulo do seu livro, "O Time Cirúrgico". Segundo ele, o time ideal é formado por:

  • Programador Chefe (Cirurgião)
  • Co-Piloto
  • Administrador
  • Editor
  • Secretárias (duas)
  • Bibliotecário
  • Almoxarife
  • Testador
  • Advogado (da Linguagem)

Reparem bem. Nós temos praticamente 9 pessoas trabalhando para o programador! Dando-lhe "todo suporte que fará aumentar sua eficácia e produtividade". Lembram-se que o Brooks também sugeria que alocássemos apenas 1/6 de nosso cronograma para tarefas de codificação? Outro mundo, não é mesmo? Pode e deve ser factível em um time cirúrgico de verdade mas aplica-se a equipes montadas para o desenvolvimento de sistemas?


O 'cirurgião' seria responsável pela execução de todas as tarefas principais daquela parte do projeto: sua especificação, design, codificação, testes e documentação. Não difere muito de alguns job descriptions e anúncios de vagas que ainda vemos por aí. Seria um "analista-programador" que, segundo Brooks, deveria ter 10 anos de experiência.

O mundo da programação mudou muito desde os tempos do COBOL e da PL/I. A complexidade e abrangência de nossas linguagens e arquiteturas de aplicações aumentaram 'para os lados e para baixo'. E é cada vez mais comum que cada uma das tarefas listadas acima seja atribuída a um especialista. Uma divisão que é nítida em 'fábricas de software', por exemplo. Em caminho oposto, alguns advogados de métodos ágeis enaltecem a importância de um time formado por 'generalistas'.

A analogia com equipes médicas reaparece em um artigo de Peter Drucker publicado pela Harvard Business Review em 1988, "O Advento da Nova Organização" [2]. Segundo Drucker, "informação é dado investido de relevância e propósito. Por conseguinte, a conversão de dados em informação requer conhecimento. E conhecimento, por definição, é especializado. (Com efeito, as pessoas realmente detentoras de conhecimentos tendem ao excesso de especialização, qualquer que seja seu campo de atuação, exatamente porque sempre se deparam com muito mais a aprender)."

Apesar de ser simpático aos chamados métodos ágeis, não acredito na possibilidade ou eficácia de um time composto por 'generalistas'. Prefiro apostar em uma formação que valorize o perfil e a experiência de cada um de seus membros. No diagrama abaixo apresento um exemplo de um time desenhado para desenvolver uma aplicação web (ou 'cliente/servidor n camadas', como queiram):



O arquiteto é o novo 'cirurgião'. É o dono e principal responsável por aquele projeto ou módulo. Mas só coloca 'a mão na massa', codificando, para transferir conhecimentos. Ocupa-se com a concepção e manutenção da integridade arquitetônica da solução. Ele é diretamente apoiado por cinco especialistas:

  • Analista de Negócios (biz): cuida da coleta e organização dos requisitos, e apóia seu desenvolvimento, fazendo a ponte entre os usuários e a equipe de desenvolvimento;
  • Desenvolvedor de Interfaces (front): é especialista em usabilidade e 'manda bem' em conceitos de arquitetura de informações. Hoje deve 'brincar' com AJAX (Javascript), Flash, HTML, CSS, ASP, JSP, JSF e afins.
  • Desenvolvedor de Serviços (srv): domina orientação a objetos, componentização e, mais recentemente, serviços. É um programador clássico que, como tal, não leva o menor jeito com as 'frescuras da camada de apresentação'.
  • Arquiteto de Informações (data): uma versão remoçada dos DBA's (administradores de bancos de dados). Domina o desenho e desenvolvimento de bases tradicionais, transacionais, mas também sabe quando lançar mão de sistemas gerenciadores de conteúdo e bases analíticas.
  • Nosso antigo inimigo (infraestrutura): são os responsáveis por nossos servidores, redes, firewalls e outros brinquedinhos. Tê-los como parte da equipe de projeto desde os primeiros dias é uma prática que, com certeza, minimiza aquele 'jogo de empurra' que costuma acontecer um pouco antes ou um pouco depois do delivery da solução.
Mas... e o coordenador? No próximo sub-capítulo falo especificamente sobre ele e sua convivência com o arquiteto.

Agora, seguindo com o time cirúrgico proposto por Fred Brooks. O co-piloto que ele sugere é o 'alter ego' do cirurgião, capaz de executar qualquer tarefa atribuída à este. A única diferença é que o co-piloto seria menos experiente. Mas, ainda assim, funcionaria como um backup do cirurgião, inclusive representando-o em reuniões com outras equipes. Porém sua principal função é avaliar e discutir as idéias do programador-chefe. Lembra uma das práticas sugeridas pelo método conhecido como eXtreme Programming (XisPê - para os íntimos), a Pair Programming. A prática é polêmica e eu não disponho de dados que confirmem ou não as promessas de produtividade. Quero crer que a qualidade do código gerado realmente seja superior. Mas tenho algumas considerações que, por questão de tempo e espaço, tratarei em outra oportunidade.


O ‘Administrador’ sugerido por Brooks é um tipo de Coordenador do Projeto. Apesar do cirurgião ter a palavra final em todas as questões, é o administrador que cuida do dia-a-dia da gestão financeira, de pessoal, suprimentos etc. Mais sobre o assunto no sub-capítulo seguinte.

O ‘Editor’ é o responsável pela documentação. O cirurgião, segundo a proposta de Brooks, gera os documentos principais, tanto técnicos quanto aqueles para os usuários finais. Mas seria o editor o responsável pela compilação final, anexação de referências, bibliografia etc. É um luxo. Porém, ainda hoje brigamos para obter bons documentos de bons programadores, inutilmente.

O ‘Bibliotecário’ - 'escriturário', ou program clerk, como sugerido por Brooks, não faz muito sentido nos dias de hoje. Mas parecia ser crucial nos tempos dos cartões perfurados e das intermináveis listas impressas em formulários contínuos. No entanto eu acredito que toda organização que esteja buscando o reuso de seus ativos de software, ou implantando uma SOA (Arquitetura Orientada a Serviços), demandará a presença de um bibliotecário, um especialista que em outro artigo eu chamei de GBA (Gestor da Biblioteca de Ativos).

Se prestarmos atenção na complexidade dos atuais ambientes integrados de desenvolvimento (IDE’s – Integrated Development Environment), com seus frameworks, testes automáticos, integração com ferramentas de modelagem etc, veremos que pode fazer sentido o papel do ‘Almoxarife’, ou toolsmith, na nomenclatura original utilizada por Brooks. Um profissional especializado nas ferramentas e na sua adequação para cada tipo de projeto e função. Em equipes grandes ou em 'fábricas', parece ser uma função de grande utilidade.

O ‘Testador’ é o nosso "Engenheiro de Testes", uma função que aos poucos vai se tornando mais comum. Pena que muitos ainda o confundam com um 'programador que não deu certo'. Teste é coisa séria, tanto que Brooks, como mostramos na 1ª parte desta série, dedicaria 50% do esforço de um projeto exclusivamente para ele.

Por fim Brooks sugere a alocação de um 'Advogado da Linguagem'. Creio que nossos espertíssimos e modernos IDE's, nossos 'testadores' e, lógico, o arquiteto, eliminam a necessidade de um 'language lawyer'. Advogado não, né?


continua...

===

  1. Mills, H., "Chief Programmer teams, principles, and procedures", IBM Federal Systems Division Report FSC 71-5108, Gaithersburg, Md., 1971.
  2. Artigo republicado em "Gestão do Conhecimento" (Harvard Business Review on Knowledge Management), Editora Campus, 2001.

Marcadores: , ,

quarta-feira, 15 de março de 2006 | | Compartilhe: Adicionar esta notícia no Linkk

neste post

 

Anonymous Werther disse:

Não concordo muito com a formação de time cirúrgico tal qual Brooks define, nem muito com a distribuição feita na solução especializada que voce (?) lançou, apesar de concordar que o ideal é a formação especializada de equipe. Nesta formação especializada, colocaria o coordenador acima de todos e sendo o que responde pelo projeto e sua viabilidade.
Na minha opinião, o profissional que voce chamou de "Arquiteto de Informações" está tendendo a desaparecer em um projeto de desenvolvimento de sistemas, pois atualmente os programadores e analistas já absorvem (e bem) estas tarefas. Não vejo como um profissional ou mesmo como tarefa distinta.
E o seu último parágrafo é realmente bem finalizado. Como o sucesso pode vir do caos? Existem mais coisas entre o céu e a terra (no caso entre o projeto e o gerente) do que supõe a nossa vã filosofia.

 
 

Blogger Paulo Vasconcellos disse:

Oi Werther,

o 'time cirúrgico' realmente gera um 'overhead' impagável se considerado no contexto de um único projeto. Mas acredito muito em sua utilidade em uma Organização que lida com múltiplos projetos. Eu não abriria mão do bibliotecário (GBA) e do almoxarife (toolsmith), por exemplo.

Não concordo com sua afirmação sobre o "Arquiteto de Informações". Acredito ser uma ciência única e relativamente complexa. Sinceramente, nunca vi um bom desenvolvedor dominando modelagem multidimensional, por exemplo. Dominar a linguagem SQL e alguns sistemas gerenciadores de conteúdo não estruturado é uma coisa. Saber estruturar as informações, determinar seu repositório ideal e se ciclo de vida, é outra coisa totalmente diferente. Sigo com minha convicção: "cada macaco no seu galho".

Pois é: os projetos de produtos 'open source' são uma provocação e um desafio. O que podemos aprender com eles? Tema para boas discussões e, quem sabe, novos artigos.

Abraços,

Paulo

 

Qual é a sua opinião?

A T E N Ç Ã O

Esta é uma versão antiga do finito. Só é mantida aqui porque o Google ainda direciona algumas buscas para cá. E eu seria louco se simplesmente o desativasse, certo? Mas, por favor, não deixe de visitar o finito certo. Todo o conteúdo aqui disponível está lá também.
  • Catálogo de Serviços

  • Contato Imediato

    • My status

    Assine & Compartilhe

    Busca

    Technorati


  • Temas & Tags

  • Lista completa no del.icio.us
  • Últimos Posts

  • Créditos & Débitos